• iPhone 6 Cases

  • Best iphone 6 cases

  • sunglasses Cheap

  • Nike Free Run Pas cher

  • ayersmissionviejo.com

  • Cheap Oakleys

  • accugram.us

  • nikefreerun.genoulaz.fr

  • longchampbq.fr

  • sac longchamp pas cher

  • progressprinting.us

  • www.theofleurybook.com

  • Sac Vanessa Bruno pas cher

  • Sac Vanessa Bruno Soldes

  • Cabas Vanessa Bruno Pas cher

  • France Cabas Vanessa Bruno

  • Vanessa Bruno Pas cher

  • Sac Longchamp pas cher

  • Longchamp Pas cher

  • Sac à Main Longchamp pas cher

  • Sac Longchamp Pliage Pas cher

  • Sac Longchamp Pliage Soldes

  • Sac Vanessa Bruno Soldes

  • teachmemusic.fr

  • saclongchamppascher.inseto.fr

  • medstract.com

  • Sac Micheal Kors Pas cher

  • Sac à main MICHAEL KORS

  • Longchamp Sac Soldes

  • Longchamp Pliage Pas cher

  • Sac Longchamp Pas cher

  • Goedkope Moncler Jas

  • Goedkope Moncler Jassen

  • Netherland Moncler Outlet

  • Billiga Canada Goose Parka

  • Canada Goose jackor Sale

  • www.bde-gide.de

  • www.klimacent.de

  • www.nachtflug-life.de

  • www.rothspielscheibe.de

  • www.tesnettsq.de

  • www.technokueche.de

  • www.articlesroltiss.net

  • www.adcamps.net

  • www.barroyal.net

  • www.envisiontelepharmacy.net

  • Logotipo
    Conteúdo Gospel de Qualidade

    Estudos Bíblicos – Qual a importância da MORTE e RESSURREIÇÃO de Cristo para o Cristianismo?


     Powered by Max Banner Ads 

    Muitos críticos e adeptos de seitas e de outras religiões não-cristãs rejeitam o que chamam de “a teologia sangrenta da Bíblia”, porque a vêem como resquício de um tipo muito primitivo de religião conhecida como “religião de matadouro”. Muitos abandonam o cristianismo bíblico porque se consideram refinados demais para incluir pensamentos de um sacrifício em sua adoração. A Bíblia declara: “A alma que pecar, essa morrerá”, e “o salário do pecado é a morte” (Ez 18.20 e Rm 6.23, respectivamente).No seu governo moral, Deus determinou que a penalidade para o pecado seria a morte física e eterna. As pessoas podem reclamar desse decreto divino, considerando-o injusto ou extremo, mas seus protestos apenas mostram como o pecado as cegou para a verdadeira natureza do mesmo. O fato de que Deus requer um castigo tão drástico para o pecado deveria ensiná-las não que Deus é brutal, mas que o pecado é abominável.

    Ainda assim, Deus, em seu amor incomparável pelo homem, também determinou que a penalidade para o pecado pode ser colocada sobre um substituto. E é em cima deste princípio que o sistema sacrifical do Velho Testamento é construído. “Porque a vida da carne está no sangue; e eu a tenha dado a vocês sobre o altar para fazer expiação por suas almas; porque pelo sangue se faz expiação pela alma” (Lv 17.11).

    Mesmo que o homem quisesse, ele não poderia oferecer a si próprio como pagamento por seus pecados, pois esse mesmo pecado o desqualifica como um sacrifício aceitável. Conseqüentemente, o Velho Testamento providenciou o oferecimento de certos animais selecionados, cujo sangue era derramado vicariamente pelos pecados daqueles que se arrependiam e acreditavam na revelação de Deus.

    Todos os animais inocentes, sem mácula, oferecidos como sacrifício no Velho Testamento apontavam para o grande sacrifício de Jesus Cristo na cruz do Calvário. João Batista introduziu a Cristo, dizendo “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29). O castigo que Deus impôs pelo pecado é ao mesmo tempo justo e de amor, porque o próprio Deus, na pessoa de seu Filho, pagou o preço por todos aqueles que o aceitam como seu substituto.

    Deus, o Filho, revestido de forma humana, derramou o seu sangue pelo pecado do homem, satisfazendo, assim a justiça santa de Deus. E, através de seu sangue precioso, Deus se mostrou ao mesmo tempo “o justo e justificados de todos aqueles que crêem em Jesus” (Rm 3.26).

    A Bíblia retrata o homem sem salvação como um escravo do pecado, e fala em libertá-lo da mesma maneira pela qual um escravo era redimido no mundo antigo. Em Cristo “… nos temos a redenção através de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com a riquezas de sua graça” (Ef 1.7). “Porque vocês não foram redimidos através de coisas corruptíveis, como prata e ouro, do modo vão como vocês viviam… mas pelo precioso sangue de Cristo, como o Cordeiro sem defeito ou mácula” (1 Pe 1.18-19).

    Separados de Jesus Cristo, todas as pessoas estão alienadas de Deus. A rebelião causada pelo pecado abriu um abismo entre Deus e o homem, impossível de ser transposto por meios humanos. O sangue de Cristo construiu a ponte entre Deus e o homem. “Em Cristo Jesus vocês, que antigamente estavam longe, foram trazidos para perto através do sangue de Cristo” (Ef 2.13). “Mas Deus mostra o seu amor para conosco quando, ainda pecadores, Jesus Cristo morreu por nós. E muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, somos salvos da ira de Deus através dele [Jesus Cristo]” (Rm 5.8-9)

    O pecado polui o coração do homem de tal maneira que somente pode ser purificado pela graça de Deus. E a graça de Deus se manifesta na eficácia do sacrifício de Jesus Cristo, como declara o apóstolo João: “o sangue de Jesus Cristo, o Filho de Deus, nos purifica de todo o pecado” (1 Jo 1.7). Não obstante Deus detestar o pecado, podemos gozar de sua amorosa graça por causa do sangue de Jesus Cristo. O livro de Apocalipse nos dá uma demonstração clara de glória futura que todos que excluem o sangue de Jesus de sua “teologia” com certeza não participarão: “Estes são os que vieram da grande tribulação, que lavaram as suas vestes e as tornaram brancas através do sangue do Cordeiro. Portanto, eles estão diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu templo” (Ap. 714-15).

    A Bíblia enfatiza o sangue de Jesus Cristo porque somente através de seu sacrifício encontramos perdão, purificação, reconciliação, salvação e glória!

    Martin Clark 
    Revista Defesa da Fé

    Tagged as: , , , , , , , ,

    Deixe o seu Comentário

    Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.