• iPhone 6 Cases

  • Best iphone 6 cases

  • sunglasses Cheap

  • Nike Free Run Pas cher

  • ayersmissionviejo.com

  • Cheap Oakleys

  • accugram.us

  • nikefreerun.genoulaz.fr

  • longchampbq.fr

  • sac longchamp pas cher

  • progressprinting.us

  • www.theofleurybook.com

  • Sac Vanessa Bruno pas cher

  • Sac Vanessa Bruno Soldes

  • Cabas Vanessa Bruno Pas cher

  • France Cabas Vanessa Bruno

  • Vanessa Bruno Pas cher

  • Sac Longchamp pas cher

  • Longchamp Pas cher

  • Sac à Main Longchamp pas cher

  • Sac Longchamp Pliage Pas cher

  • Sac Longchamp Pliage Soldes

  • Sac Vanessa Bruno Soldes

  • teachmemusic.fr

  • saclongchamppascher.inseto.fr

  • medstract.com

  • Sac Micheal Kors Pas cher

  • Sac à main MICHAEL KORS

  • Longchamp Sac Soldes

  • Longchamp Pliage Pas cher

  • Sac Longchamp Pas cher

  • Goedkope Moncler Jas

  • Goedkope Moncler Jassen

  • Netherland Moncler Outlet

  • Billiga Canada Goose Parka

  • Canada Goose jackor Sale

  • www.bde-gide.de

  • www.klimacent.de

  • www.nachtflug-life.de

  • www.rothspielscheibe.de

  • www.tesnettsq.de

  • www.technokueche.de

  • www.articlesroltiss.net

  • www.adcamps.net

  • www.barroyal.net

  • www.envisiontelepharmacy.net

  • Logotipo
    Conteúdo Gospel de Qualidade

    Família – Pais e Filhos – Família – A melhor escola para os pais


     Powered by Max Banner Ads 

    Os pais devem ensinar e os filhos aprender, isto que é proclamado como uma verdade absoluta, costuma ser muito pouco certo na realidade já que é, ao menos, uma visão parcial dela.

    Com frequência abordamos este tema em nossas páginas – ou deveria dizer em nossos bytes? – diversos temas sobre nossas obrigações como pais, da educação de nossos filhos, o que devemos ensiná-los, etc. Lembro que em uma oportunidade publicamos um par de notas sobre os direitos dos pais, ou o que os pais têm o direito de exigir de seus filhos, mas falamos muito pouco do que nós aprendemos ou deveríamos aprender com nossos filhos.

    A pouco de podermos refletir profunda e sinceramente sobre este tema, cairemos na conta de que, a diferença do que se acredita na habitualmente, nossos filhos nos ensinam mais do que nós a eles. Isto não deixa de chamar minha atenção já que nós, os pais, quase sempre preocupados e ocupados com nossos filhos, temos a intenção explícita de educar a nossos filhos e, ao menos em aparência, nossos filhos contribuem na educação de seus pais sem propor-se de maneira alguma.

    É que eles são naturalmente educadores de seus pais, não estão tão influenciados pelos critérios artificiais que nos costumam ser impostos pelos meios de comunicação, os planos oficiais de educação, a opinião de profissionais da educação com suas novas teorias pedagógicas, e todos estes meios de informação que transmitem, aos pais mais que aos filhos, uma idéia de educação familiar viciada de artificialidade.

    Como não quisesse ser mais um desses que se dedicam a difundir uma educação artificial, de plástico, muito ligth, e demasiadamente soft, espero que saibam desculpar que o que digo a seguir seja desde uma óptica muito particular e pessoal, embora em lugar de pessoal deveria dizer familiar, já que o que escrevo a seguir não aconteceu somente comigo mas em nossa família.

    O que nossos filhos nos tem ensinado

    Minha esposa Viviana e eu nos casamos há menos de 10 anos, pretendendo que haver conformado uma família, mas esta não começou a se concretizar até que, um ano depois, nasceu Juan Manuel que contra toda previsão pôde nascer por normal já que tinha 4 circulares de cordão. Desde esse momento Juan Manuel nos ensinou a aceitar que nem sempre as coisas saem como se planeja ou deseja. Nós tínhamos planejado estar juntos no momento do parto, mas os médicos não quiseram que eu estivesse presente já que se tratava de uma cesárea.

    Aos dois anos deste feliz nascimento, Deus nos deu a Mercedes que hoje tem seis anos e graças a um bom médico pôde nascer por parto normal, contra todas as opiniões que indicavam que se o primeiro tinha nascido por cesárea todos os outros também deveriam nascer da mesma maneira. Então nossa menina nos ensinou que devemos crer e esperar quando tudo parece indicar que as coisas não vão sair como desejamos, nos ensinou que devemos ter uma visão otimista da vida.

    Imaginarão os leitores que, se minha memória ajudasse, poderíamos tirar um ensinamento de cada um dos atos de nossos quatro filhos, mas como não quero aborrecê-los com assuntos pessoais vou fazer um resumo.

    Nos piores momentos, quando um deles contraiu uma doença que colocou em risco sua vida, contamos com seu sorriso que tornou-se um apoio para suportar as dificuldades. Quando faleceu o avô, eles não choravam porque tinham uma segurança invejável sobre a felicidade que teria o avô ao estar gozando de uma vida melhor que esta. Nos ensinaram então que a dor é parte natural da vida e que deve ser assumida para nos engrandecer.

    Mas o fato de ser quatro crianças, Viviana e eu tivemos que dividir muitas tarefas, tanto no trabalho externo que nos provê o sustento, como no trabalho dentro de cada que nos organiza a vida familiar. As crianças também, na medida das possibilidades, colaboram com o trabalho familiar: os mais grandes, antes de comer, lavam as mãos de Facundo que ainda não completou dois anos; são eles os que ensinam a José Ignácio, de quatro anos, a higienizar seus dentes antes de dormir e a fazer a cama ao se levantar.

    Nossos filhos melhoraram notavelmente nossa capacidade de trabalhar em equipe. Quando chegamos em casa, cansados por tanto trabalho e esgotados pela luta cotidiana, suas vozes e seus sorrisos nos ensinam que há que deixar os problemas do trabalho fora de casa, e quando não se pode, há que compartilhá-los para torná-los mais suportáveis.

    Também eles têm seus aspectos negativos, suas brigas, seus maus comportamentos, que exigem de nós o máximo de nossa paciência para agüentar seus assuntos, a responsabilidade com os outros quando quebram a janela do vizinho com a bola, e a perseverança necessária para conseguir forjar neles os bons hábitos. Portanto eles nos treinam em virtudes tais como a paciência, a responsabilidade e a perseverança.

    Eles não suportam as injustiças, mesmo que se entendem que nem todos têm os mesmos direitos (já que não têm as mesmas necessidades e obrigações), de maneira que os mais grandes sabem que devem lavar-se por si mesmos enquanto que o menor requer nossa atenção para tais menesteres, e sabem também que nenhum deles por menor que seja tem a exclusividade sobre aqueles bombons que a mamãe havia guardado para partilhar em outro momento. Eles nos exigem justiça, e a distinguem do igualitarismo raso. Também nos ensinam destas coisas que muitos homens de governo parecem desconhecer.

    Poderíamos escrever muitas páginas mais sobre este assunto, mas cremos que o assunto está compreendido e esta nota estava destinada a ser mais curta do que é. Só resta para o final dizer que eles nos pedem que sejamos um exemplo para sua realização, como disse uma vez uma leitora de EVPP: “as crianças não escutam o que lhes dizemos, mas o que nos vêem”.

    Por: Eduardo R. Cattaneo

    Fonte:http://www.clickfamilia.org.br ,mais um parceiro Eterno Jesus.

    Tagged as: , , , , ,

    Deixe o seu Comentário

    Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.